CFT – COORDENAÇÃO FEDERATIVA DE TRABALHADORES DO PARANÁ

  • Registrar-se
    *
    *
    *
    *
    *
    Fields marked with an asterisk (*) are required.

Artigos e Opniões

QUEM VAI PAGAR O ROMBO DA PREVIDÊNCIA?

E-mail Imprimir PDF

A Câmara dos Deputados aprovou o fim do fator previdenciário e concedeu reajuste de 7,7% para os aposentado

que ganham mais de um salário mínimo.

O Presidente Lula tentou de todas as formas convencer a sociedade, em especial o movimento sindical e os Deputados, de que a previdência está quebrada, e que o aumento iria provocar um rombo nas contas da instituição. Esse discurso é velho e não convenceu o povo brasileiro que foi vitorioso.

Se a Previdência está quebrada, não é por culpa dos trabalhadores e dos aposentados que ao longo dos anos contribuíram com a instituição e para o fortalecimento do Brasil.

Quando era oposição, o LULA dizia que tinha que ser feito uma auditoria na Previdência e cobrar os caloteiros. Fez isso? Não, não fez porque não quis, não teve interesse, não teve coragem.

 Em uma reunião no Ministério da Previdência onde estive representando a NCST – Nova Central Sindical dos Trabalhadores, quando era Ministro Luiz Marinho, o mesmo tentou demover a iniciativa do movimento sindical em apoiar o fim do Fator Previdenciário, sob o argumento de que o Presidente iria vetar caso a Câmara aprovasse o Projeto como veio do Senado. Disse o Ministro Marinho, que a Previdência estava quebrada e não suportaria aumentar as despesas.

 Na reunião muitos dos sindicalistas apoiaram a iniciativa do Ministro já que estavam e estão ao lado do Governo. Após ouvir os argumentos do Ministro Marinho, não me contive e cobrei uma iniciativa do Governo sobre as propostas de quando ele era oposição conforme citamos acima. Levei em mãos os nomes dos grandes devedores da Previdência e quando as apresentei o mesmo ficou enfurecido com nossa iniciativa. Não queríamos desmoralizar o Ministro, o que fizemos foi cobrar uma promessa de campanha.

 Entre os devedores da Previdência, estão bancos, empresas de economia mista, clubes de futebol, construtoras, usineiros, empresas de telecomunicações, planos de saúde, prefeituras, montadoras de automóveis, cartões de créditos, Estados, universidades, municípios, enfim, a lista é grande e vale a penas acessar na internet  http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2003/05/254595.shtml.

 No endereço http://www.midiamax.com.br/arquivos/968447753.doc, você encontra a lista dos cem maiores devedores e os respectivos valores devidos.

 Então Senhor LULA, se é que o reajuste dos aposentados vai causar rombo na Previdência, quem vai pagar esse suposto rombo, deve ser esses devedores. Lógico que se o Governo tiver coragem de cobrá-los. Caso contrário, viva a impunidade e dane-se o povo brasileiro.

 Wilson Pereira – Presidente da FETHEPAR – Federação dos Empregados em Turismo e Hospitalidade do Estado do Paraná.

 

 

O VOTO É UM CHEQUE EM BRANCO

E-mail Imprimir PDF

Os brasileiros em breve irão às urnas para escolher por voto “livre” direto e “secreto” deputados estaduais, deputados federais, governadores de Estado senadores e o Presidente da República, que estarão administrando o futuro de um povo sofrido e envergonhado de tanto desmando dos políticos. É nas mãos dessas pessoas que estarão colocando todas as esperanças e confiança.

 Em todos os anos eleitorais a CONTRATUH – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade, realiza uma campanha denominada de “O VOTO É UM CHEQUE EM BRANCO – CONSULTE SEU SINDICATO”. Essa campanha tem o objetivo de alertar a população, e, de forma especial os trabalhadores para que votem em pessoas que realmente estejam comprometidas com as questões sociais do país, e não engajadas em fazer da política uma forma de obter vantagens pessoais às custas dos cofres públicos (do dinheiro do povo).

 Louvável a iniciativa da Confederação que tem na Presidência o líder sindical paranaense, Moacyr Roberto Tesch Auersvald, com destacados serviços prestados aos trabalhadores brasileiros.

 Sobre as próximas eleições, ainda que os prováveis candidatos não estejam autorizados fazer campanha eleitoral, de forma aberta e nas barbas da Justiça, muitos já se encontram em campanha eleitoral. Nosso propósito não é questionar o início de campanha, mas queremos é chamar a atenção dos leitores deste informativo do SINDEHTUR, é que se o candidato não cumpre a lei que regulamenta o processo eleitoral, imaginemos se vai cumprir com as promessas de campanha, ou programa de governo.

 O eleitorado brasileiro não pode ser enganado mais uma vez, chega de sermos desrespeitados. Devemos dar um basta a tudo isso, e acabar com esse mar de lama que vemos diariamente em todo o Brasil e agora atingiu nossa Assembléia Legislativa.

 Mostre seu descontentamento no momento do voto, chegou à hora de pensar no povo. Naquele que levanta cedo para buscar o pão para sua família; naquele que paga impostos; naquele que diuturnamente está preocupado com a segurança de sua família, entre outras preocupações com problemas que atingem nossa gente.

 Votar em nosso país é uma obrigação, é um Direito. Temos como fundamental esse Direito, ao qual devemos externar com inteligência, com decência e moral. O povo não pode vender o voto, no sentido literal. Deve sim, exercitar do direito de votar com seriedade na escolha, posto o voto constituir-se num “cheque em branco” colocado à disposição daqueles que irão representar a nossa vontade.

 Finalmente, está chegando à hora de se resgatar a plena cidadania, e isso vai se dar pelo voto, porque mudanças se fazem necessárias. Por tudo o que expressamos neste espaço, durante o processo eleitoral consulte seu sindicato, discutam quais são os melhores candidatos, porque ao votar você está passando um cheque em branco a quem mereceu sua confiança.

 Wilson Pereira - Presidente da FETHEPAR – Federação dos Empregados em Turismo e Hospitalidade do Estado do Paraná.

Artigo de responsabilidade do autor.

 
Você está aqui: Home Artigos e opiniões